Entenda a diferença entre financiamento e consórcio

Para quem deseja comprar um veículo ou uma casa e não tem a disponibilidade de muito dinheiro para realizar a compra à vista, existem basicamente duas opções: o financiamento e o consórcio.

O financiamento é bastante utilizado para vários tipos de aquisições, pequenas ou grandes, e já é muito conhecido no mercado de vendas.

O consórcio também é uma modalidade de aquisição de bens, mas muitas pessoas ficam receosas de optar por ela, porque ainda existem dúvidas sobre as suas características e suas regras.

E agora, consórcio ou financiamento? Em geral, o conselho que você vai ouvir é para você fugir dos dois. Ambos cobram taxas que fazem com que você pague muito mais caro pelo bem do que se comprasse à vista.

 

Vamos entender como funciona o consórcio

O termo consórcio veio do latim e significa “associação”, “parceria” ou “sociedade”. A sua própria origem já indica que consórcio é um agrupamento de pessoas que se junta em prol de algo em comum, ou seja, a compra de um bem específico.

Todos os integrantes contribuem mensalmente para um fundo destinado à compra daquele bem comum visado pelo grupo. Esses pagamentos custeiam a entrega daquele bem para os consorciados, até que todos sejam premiados. É assim que o consórcio funciona. Porém existem algumas regras e nem todos terão acesso ao bem de forma imediata.

  • As taxas: Após fazer a escolha do consórcio, é feito um contrato entre o consorciado e a instituição administradora. É importante ler as cláusulas do documento com atenção, já que elas descrevem os seus direitos e deveres no consórcio. Nelas, também estarão informados os valores a serem pagos e recebidos. Por isso, não deixe passar nada despercebido.

O pagamento deve ser realizado todos os meses, respeitando os critérios previstos no contrato. Em geral, ele é constituído por quatro fatores:

Fundo comum: dinheiro destinado à compra do bem.

Taxa de administração: valor destinado à administradora para gerenciar o consórcio.

Seguro: a operação inclui um seguro de vida, que paga as prestações de vendas, em caso de falecimento de algum participante.

Fundo de reserva: taxa cobrada por algumas instituições como garantia durante o consórcio, sendo devolvida aos consorciados no final do período.

Também é comum que existam multas para quem não paga as parcelas em dia.

  • Contemplação: esse é o momento mais aguardado pelos integrantes. Existem duas formas de ser contemplado: sorteio ou lance.

Tanto o sorteio quanto a abertura dos lances são feitos todo mês, em assembleias. Geralmente, a cada assembleia são concedidos, pelo menos, dois bens: um pelo sorteio e outro pelo lance.

Sorteio: Todo consorciado que pagar as suas mensalidades em dia pode ser sorteado (normalmente, por meio de um sorteio com bolas numeradas) para receber o seu bem ou serviço em instantes. Ou seja, todos têm a mesma probabilidade de vencer.

Lances: Servem para antecipar a contemplação e é composto por um pagamento a mais, além da parcela mensal.

  • Os benefícios: O consórcio é uma boa opção para comprar bens de valor alto. Pois você irá receber em algum momento uma carta de crédito com o valor integral do bem. Além de que, você não precisa comprar de fato o bem, pode apenas descontar a carta de crédito e fazer outro tipo de investimento.

As taxas inclusas nessa modalidade são poucas, apenas a de fundo comum e da administradora. Além de garantir o valor atualizado do bem, por mais que você leve 2 anos para ser comtemplado irá receber o valor do bem nos dias atuais.

  • Os maiores problemas: Um consórcio não é apenas cercado de vantagens. Um fator a ser considerado, é que você pode levar muito tempo para ser comtemplado se aguardar apenas pelo sorteio, sendo recomendado a modalidade de consórcio somente se você não tiver pressa.

Outro possível problema é o risco de consorciados inadimplentes. Caso isso ocorra, a administradora poderá reajustar o valor das mensalidades e até aumentar a taxa de juros, essas situações vem dispostas no contrato, então leia com muita atenção.

 

Entenda a dinâmica do financiamento

O financiamento é uma compra parcelada, na qual o valor é dividido em parcelas mensais estabelecidas por contrato. Você paga uma pequena parte da dívida por mês e, e claro, são cobrados juros periodicamente.

Diferente do consórcio, onde são os próprios membros do grupo que se autofinanciam, no financiamento tradicional quem realiza a compra do bem é o banco, e a pessoa segue pagando até quitar o valor total da dívida. Ou seja, ele intermedeia a realização dos projetos, cobrando juros e tarifas pelo serviço prestado e pelo crédito concedido.

Só será possível realizar o financiamento se você atender às condições exigidas pela instituição, isso requer que o comprador disponibilize parte do valor do bem desejado como entrada, na maioria das vezes, o que é uma forma de atestar a sua disponibilidade financeira.

Antes de efetivar a contratação do financiamento, é preciso apresentar toda a documentação necessária para avaliar o seu cadastro. Isso pode incluir documentos pessoais e comprovantes de renda, além de documentos que atestem a capacidade financeira.

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.